Sobre

“Neo Topografia Gráfica e Descritiva de Monumentos e Memoriais Viseenses”  pretende, inspirada no processo da denominada “Escola de Dusseldorf de Fotografia”, liderada pelo casal Bernd e Hilla Becher, realizar um levantamento gráfico e uma leitura sustentada de uma selecção alargada dos elementos que possam ser considerados monumentos e/ou memoriais existentes em Viseu, sem esquecer outros elementos de Arte em Espaço Público.
Seguindo a definição de Arthur Danto: “Erigimos monumentos para que, para sempre, recordemos; e construímos memoriais para que nunca esqueçamos”. Parte do que sustenta esta iniciativa é a ausência de um tratamento sistemático dos ditos elementos.

Pretendemos que o resultado da nossa proposta auxilie numa mais alargada compreensão do que são e o que significam os monumentos e/ou memoriais, que pontuam e marcam a cidade de Viseu. Os objectivos artísticos são permitir suportes gráficos e textuais que veiculem através de processos e meios artísticos em si – fotografia e criação literária – a relevância das marcas de arte pública/arte em espaço público que definem o espaço viseense, numa meta-interpretação do existente. Sem se propor um inventário, realizar-se-á o levantamento das existências e a sua interpretação, tornando esta informação acessível ao público.

Equipa

Rui Macário Ribeiro

Com formação de base em Arte e Património (UCP-Porto) e Pós-Graduação em Arte Contemporânea (UCP-Porto), co-fundou e coordena desde 2008 a Projecto Património, direcionada para as valências de registo, tratamento, divulgação e valorização de elementos patrimoniais culturais e naturais, de base regional e nacional. Na vertente de investigação, análise e consultoria, tem colaborado com diversas instituições públicas e privadas, bem como em vários projectos de alcance nacional e internacional.

José Guilherme Abreu

Doutor em História da Arte Contemporânea (FCSH-UNL); professor convidado da Escola das Artes (UCP-Porto); investigador integrado do CITAR (EA-UCP Porto), especializado em Arte Pública. Integra os comités editoriais e científicos de várias publicações internacionais sobre Arte. É Secretário da Association Raymond Abellio de Recherches et Études (ARARE), Paris. É autor de várias publicações. A sua tese de doutoramento recebeu o prémio Ignasi de Lecea de Arte Pública (2009), atribuído pelo Centro de Investigação POLIS (Facultat de Belles Arts da Universitat de Barcelona) e pelo Ajuntament de Barcelona.

José Cirillo

Artista plástico e pesquisador vinculado ao LEENA-UFES (grupo de pesquisa em Processo de Criação); Professor Permanente do Programa de Mestrado em Artes (PPGA/UFES) e do Programa de Mestrado em Comunicação (PPGCS/UFES). Realizou estudos pós-doutorais em Artes pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (2015/2016); é graduado em Artes (UFU, 1990), Mestre em Educação (UFES, 1999); Doutor em Comunicação e Semiótica (PUC-SP, 2004). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes visuais e Teorias e História da Arte, atuando principalmente nos seguintes temas: artes plásticas contemporâneas (em especial no Espírito Santo), escultura e arte pública; teoria do processo de criação e arquivos pessoais; memória e patrimônio. Desenvolve pesquisas com financiamento da FAPES e do CNPQ. É editor da Revista Farol (PPGA-UFES, ISSN 1517-7858) e membro do conselho científico da Revista: Estúdio (ISSN 1647-6158/ e-ISSN 1647-7316) e da Revista Manuscrítica (ISSN 1415-4498). Foi diretor do Centro de Artes da Universidade Federal do Espírito Santo (2005-2008) e Presidente da Associação de Pesquisadores em Crítica Genética (2008-2011). Atuou como Pró-reitor de Extensão da UFES (2008-2014). É Coordenador do Programa de Pós-graduação em Artes da UFES (desde 2018).

Laura Castro

Doutorada pela FBA-UP com o trabalho “Exposições de arte contemporânea na paisagem. Antecedentes, problemática e práticas” (2010); Mestre em História da Arte pela FCSH-UNL (1993), com o trabalho “Júlio Resende. Tentações da Pintura Ocidental”. Docente na Escola das Artes (UCP-Porto), de que foi directora (2013 a 2017). Investigadora do Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR) da mesma Escola. Entre o início da década de 90 e 2006 trabalhou no sector cultural, em museus municipais de Matosinhos e Porto. Publicou artigos e livros sobre arte portuguesa dos séculos XIX e XX e ensaios em catálogos de exposições.

Luís Belo

Nasceu em Viseu, 1987. O seu percurso académico focou-se na imagem. Em 2008, licencia-se em Artes Plásticas e Multimédia pela Escola Superior de Educação de Viseu. Nos anos seguintes desenvolve trabalho na área do design gráfico, vídeo e ilustração. Na fotografia, vence vários prémios, entre eles o “Viseu Patrimonium” (2009 e2013) promovido pela FNAC e recebe uma menção honrosa no Concurso Território promovido pela Fujifilm e P3 com a participação de 30.000 imagens. Publica dois ensaios fotográficos “Emergir” e “Cidade Nenhuma” pela Medíocre.

Ruben Marques

Natural de Viseu, é licenciado em História pela Universidade Católica Portuguesa (2006) e pós-graduado em Estudos do Património pela Universidade Aberta (2018).

Entre os anos de 2012 e 2015 exerceu funções como técnico de inventário no Departamento de Bens Culturais da Diocese de Viseu. De 2016 a janeiro de 2019, ocupou o lugar de assistente técnico no Museu Almeida Moreira (Viseu). A partir de fevereiro de 2019, é integrado como técnico superior no Museu Terras de Besteiros (Tondela).