Designação/Título: O Melhor Sono da Nossa Vida


Autoria: José de Oliveira Ferreira (1883-1942)


Datas Relevantes: 1930 (apresentação da obra na XXVII Exposição da Sociedade Nacional de Belas-Artes) ; década de 1940 (inauguração da obra em Viseu, terra de onde era natural a mãe do escultor, sendo apontada a data de 1946-09-15 como de inauguração formal)


Materiais: bronze (estátua) ; granito (pedestal) ; mármore (placa epigrafada)


Dimensões: 170 x 84 x 84 cm (estátua); 137 x 103 cm (pedestal)


Promotor: Câmara Municipal de Viseu


Localização: Largo Major Teles, inserido no Jardim das Mães (Viseu – Portugal).

Nota: o nome do jardim foi claramente inspirado nesta obra escultórica de José de Oliveira Ferreira.


Coordenadas GPS: 40.658165° ; -7.913584°

Descrição

Contrariamente ao que acontece na maioria das estátuas de Viseu, estamos na presença de um monumento que não pretende homenagear uma figura concreta da história, nem destacar um notável comportamento de âmbito político, militar ou académico. Pelo contrário, trata-se de uma celebração coletiva e anónima, que se estende a todas as mulheres que desempenharam o papel da maternidade e que deixaram uma marca indelével no espírito dos seus filhos.

A estátua encontra-se pousada sobre um pedestal granítico, de formato paralelepipédico, acrescido no registo inferior com um soco ligeiramente saliente. Todas as faces do pedestal apresentam-se lisas, com exceção da frontal, onde foi rasgado um nicho retangular e adossada uma placa de mármore branco contendo uma inscrição. O texto, em letras incisas e pintadas de preto, refere a seguinte informação: «ESCULTURA DO FALECIDO ESTATUARIO / JOSE DE OLIVEIRA FERREIRA / FILHO DE VISEU POR SUA MÁI / D. MARIA DA ANUNCIAÇÃO DE OLIVEIRA FERREIRA / E DESTINADA PELO AUCTOR A UM DOS JARDINS / DESTA CIDADE».

Sobre o pedestal emergem duas figuras em bronze e em tamanho natural, sendo que a ternura partilhada por ambas nos leva a acreditar de que se trata de mãe e filho. A progenitora surge do lado esquerdo, sentada num apoio de baixa altura e com os pés descalços recolhidos para trás. As suas mãos encontram-se unidas diante do peito numa postura de oração, embora um olhar mais atento permita observar que entre as palmas permanece um conjunto de agulhas de bordar, ligadas por um fio ao novelo que ela guarda no regaço. A jovem mulher enverga trajes humildes e permanece com a cabeça e o olhar direcionados para baixo, numa atitude de clara contemplação.

O rapaz, vestido com camisa e calções, tem os joelhos apoiados sobre o chão e a cabeça pousada no colo da mãe. Permanece com os olhos fechados, sinal claro de que dorme profunda e tranquilamente. Junto ao seu corpo distinguem-se alguns livros.

Sob as duas figuras desenvolve-se uma base retangular, cuja maior importância recai nas duas inscrições que apresenta. A primeira surge na face frontal e esclarece as intenções do autor no momento em que elaborou esta obra: «O melhor sono da nossa vida, em que / na nossa alma, docemente penetra Deus». A segunda inscrição, posicionada na ilharga direita (segundo a perspetiva do observador), contém o nome do artista e a data de execução da obra: «J. d Oliveira Ferreira / [?] 1940».

Arquivo Gráfico

Vídeo

Documentos

  • FIGUEIREDO, António Vicente – Viseu: Santa Maria. História, memória e património. Viseu, Freguesia de Viseu, 2017.

ID da Entrada: NTGD.2019.0010

Ruben Marques (2019-08-23)

Rui Macário Ribeiro (2020-02-06)