Designação/Título: Aos Combatentes do Ultramar


Autoria: António Mata


Datas Relevantes: 2001-10-28 (inauguração da obra)


Materiais: granito


Dimensões:


Promotor: Liga dos Combatentes e Associação de Deficientes das Forças Armadas


Localização: Avenida Regimento de Infantaria nº 14, inserida numa rotunda (Viseu – Portugal)


Coordenadas GPS: 40.643905° ; -7.923647°

Descrição

De acordo com a informação partilhada pela Direção Regional de Cultura do Centro, na sua página referente ao Museu Virtual de Arte Pública:

O monumento pretende homenagear os combatentes da “Guerra do Ultramar”, e surge representado por um conjunto escultórico que se desenvolve numa composição geométrica de texturas diferenciadas que matizam o conjunto. Apresenta uma base delineada por três círculos concêntricos, os dois externos, revestidos a lajes de granito, mantendo no primeiro a textura rugosa da pedra, enquanto no segundo é polida, este encontra-se ligeiramente elevado e subdividido em 16 partes alternadamente sobrelevadas; no círculo do centro possui um espelho de água, do qual emerge um elemento esférico de granito, em oposição a 10 elementos cilíndricos que se erguem em colunata, circundando sensivelmente um quarto da base. Podendo denunciar a formação arquitectónica do autor, a obra nas sua linhas geometrizantes, transmite equilíbrio formal e espacial numa harmoniosa conjugação de luz e sombra.

O monumento foi erigido em 2001, em homenagem aos combatentes da guerra do ultramar / colonial, guerra essa que durou 13 anos, entre 1961 e 1974, correspondente ao período de confrontos entre as Forças Armadas Portuguesas e os Movimentos de Libertação das antigas províncias ultramarinas.

A escassos metros do monumento, uma placa de granito pousada na vertical apresenta a seguinte inscrição, em letras incisas e pintadas de negro: «AOS COMBATENTES DO ULTRAMAR / 2001-10-28».

Arquivo Gráfico

Vídeo

Outras referências

ID da Entrada

Ruben Marques (2019-10-20)