Designação/Título: O Maratonista


Autoria: Luís Queimadela (1956- )


Datas Relevantes: 2004-08-14 (inauguração da obra)


Materiais: granito e água [de acordo com o autor na obra QUEIMADELA, Luís – Atracções e Outras tensões. 2º Act.[S.l.]: [s.e.], 2007. P.90]


Dimensões: 10 x 20 x 8 m


Promotor: Câmara Municipal de Viseu


Localização: Praça Carlos Lopes, rotunda de ligação que entrecruza Vildemoinhos (direção Figueiró IP5), Avenida Cidade de Aveiro e Avenida Almirante Afonso Cerqueira (Viseu – Portugal)


Coordenadas GPS: 40.659675° ; -7.923441°

Descrição

Transcrevendo a descrição da obra que o Município de Viseu apresenta (transcrevendo igualmente passagens de QUEIMADELA, Luís – O maratonista : a obraViseu: Câmara Municipal de Viseu, 2004.):

Uma homenagem a Carlos Lopes, recordista olímpico e filho da terra, que brilhava pela sua rapidez. Mas o significado da obra extravasa esse sentido restrito, simboliza a força, a vontade, a determinação. A garra que cada um de nós necessita no dia a dia para atingir metas, como se estivéssemos numa verdadeira maratona. A estátua granítica de 10 metros de altura traduz a ideia de chegada à meta. A estátua localiza-se em cima de um pódio «separados de um elemento volumétrico contínuo e irregular, querendo simbolizar a relação entre os medos, as inseguranças e as expectativas, e o ruído da água caindo nos degraus laterais, o ruído dos aplausos, alimento desses grandes feitos», descreve Luís Queimadela, o escultor/autor da obra. «Na projeção aérea observa-se o buraco de uma fechadura cuja chave é o Maratonista. Aqui começa a mensagem. A chave do mistério. O segredo, que levou a fazer de Carlos Lopes esse campeão».

A homenagem a Carlos Lopes (natural de Vildemoinhos, a curta distância de onde se encontra o monumento) surge na sequência – em particular – da medalha de ouro por ele conquistada na prova da maratona, nos Jogos Olímpicos de Los Angeles em 1984 (12/08/1984), cerca de 20 anos antes. Tal como surge na inscrição aposta na peça (V. imagem NTGD.2019.0021.0004):

O Maratonista / Monumento Escultórico da autoria / de Luís Queimadela / Inaugurado, no dia ?4  de Agosto de 2004, por S. Exa. O Ministro Dr. José Luís Arnaut, / sendo Presidente da Câmara Municipal de Viseu / o Exmo. Sr. Dr. Fernando Ruas, / na presença do Campeão Olímpico Carlos Lopes, / entidades do município e da região / e demais Viseenses.

 

Quatro características principais permitem individualizar esta obra do restante conjunto de estatuária viseense: o tamanho monumental, a recusa do bronze enquanto matéria-prima dominante, a representação estilizada do corpo humano, e a ausência de um rosto. Este último aspeto é particularmente relevante: quando a maioria das obras imprime um cuidado particular na figuração dos traços faciais – havendo mesmo vários casos em que o escultor se limitou a apresentar a cabeça do homenageado – aqui acontece o contrário. A identificação do atleta Carlos Lopes repousa em pequenos pormenores da iconografia, muitas vezes difíceis de descodificar para o público que não conhece a história do desporto em Viseu e/ou que não está a par da toponímia daquele lugar.

Elevando-se sobre um pedestal que é constituído por duas fiadas verticais de blocos de pedra, a estátua apresenta-nos uma figura estilizada, composta pelas pernas em posição paralela; por uma cintura geométrica de formato paralelepipédico; por um torso rasgado verticalmente ao meio; e por dois ombros assimétricos, que sugerem a elevação dos braços em sinal de vitória.

A zona do peito surge acompanhada por uma faixa horizontal, ondulada nas extremidades, simbolizando o momento em que o atleta cruza a meta e termina – vitorioso – a sua prova de atletismo.

Arquivo Gráfico

Vídeo

...

Documentos

  • QUEIMADELA, Luís – O maratonista : a obra. Viseu: Câmara Municipal de Viseu, 2004.
  • QUEIMADELA, Luís – Atracções e Outras tensões. 2º Act.[S.l.]: [s.e.], 2007.

Outras referências

ID da Entrada: NTGD.2019.0021

Rui Macário Ribeiro (2019-09-06)

Ruben Marques (2019-09-09)